Jurema de Tupã

Como Nasceu a Jurema Sagrada?

No período da pré colonização do Brasil, devido a necessidade de seus ocupantes em relação a remédio e alimentos estreitou os laços com os nativos da terra nova a ser explorada.
Tal contatos alguns foram iniciados na Pajelança, passando assim a manifestação com os encantados antigos da natureza, que hoje conhecemos como Família Surrupira.
Esse Colonizadores segue os seus caminhos afim de concretizar o seu proposito de buscar a riqueza da terra em busca de riqueza, fama e moradia.
Como todos os povos que aqui veio cada qual tinha a sua religião cujo o qual agregou os valores da Pajelança, levando alguns anos para se formar um novo Rito Sagrado de 1532 a 1536.
Não podendo mais ser chamado de Pajelança ou inúmeras influência de culturas desses O Caboclo Tupã batizou essa religião de Jurema Sagrada.
Em tempo de esclarecimento que Rei Tupã para os índios e o Divino Pai Eterno e ou Deus Supremo, para a Jurema Sagrada,  Rei Tupã é o Caboclo Tupã.
Em tempo ainda o nome Jurema Sagrada e em homenagem a árvore da Jurema Preta. Os Juremeiros passa por todos os Reinos Vegetal, Mineral e Animais colhendo artefatos e buscando Os Encantados em suas moradas de encante que é na natureza, o encantando e invocado em uma árvores que foram encantada para essa finalidade passando ser uma cidade encantada sendo essa árvore a Jurema Preta.
Sendo assim todos os atos e realizado no pé da Jurema Preta após realizar os atos de buscar esses encantados para serem consagrado nos novos discípulos.
001
Como ja foi mencionado esses valores adversos a base da Pajelança, inseridos a cultura religiosa de seus Pré-Colonizadores, tais como o Catolicismo, a Bruxaria Europeia, Magia Cigana e a Ciência do Africano.
Nasceu essa Religião de Jurema Sagrada que demora a ser formada que se deu de 1532 a 1536.
É com a dos Padres Jesuítas em 1938 no Brasil esses seguidores da Jurema Sagrada foram perseguidos e os índios escravizados e massacrados pela igreja nasceu assim a Intolerância Religiosa no Brasil.
Os que tinha já uma Terra ia para os pé da serra e realizava os seus ritos sendo assim foi agregados alguns valores, por causa de segurança e a necessidade da época de seus fieis.
Por esse motivo foi dado o nome aos percussores da Jurema Sagrada de:

Jurema de Tupã;
Jurema do Rei Tupã;
Jurema de Caboclo;
Jurema da Mata:
Jurema de Chão;
Juremal;
Jurema do Reino de Tupã;

Denominando assim a Religião que já tinha sindo batizada por nome de Jurema Sagrada para diferenciar o encantado responsável pela esses atos que foram inseridos deu o nome de outra arvore que e a árvore do Jucá e ou Pau Ferro sendo assim nascendo a Jurema Sagrada do Reino do Vajucá ou a Jurema do Pé da Serra.
Sendo assim passa esses Percussores que seguia as determinações do Caboclo Tupã passa a serem:
O Primeiro Reinado da Jurema Sagrada do Reino de Tupã e dos nomes acima já descrito.
E o Segundo Reinado da com o nome Jurema Sagrada do Reino do Vajucá.
Não somos Católicos, não praticamos a Pajelança e nem Rito Africanos, Ciganos, não cultuamos Orixá, Exu, Pomba Gira, Cigano do Oriente nada além de Encantados da Jurema Sagrada.
Qualquer outro seguimento da Jurema Sagrada que misturar a a Pajelança e nem Rito Africanos, Ciganos, não cultuamos Orixá, Exu, Pomba Gira, Cigano do Oriente, não é Jurema Santa e Sagrada é o Omôloko.
Pode sim ter espaço separados para cada Rito Sagrada.
Uma so para os Orixas, para a Quimbanda e para a Jurema assim esta extremamente corrento, em uma espaço sim em uma seção só não existe dentro da Jurema Sagrada isso e Omôloko.
IMG-20160612-WA0008Somos Juremeiro da Jurema do Rei Tupã
Tudo dentro da Jurema Sagrada do Reino de Tupã e ou Jurema de Caboclo.
Têm que estudar o início de onde surgiu a religiosidade do afro – ameríndios.
Os Fatos da Historia confronta a forma concreta e verdadeira com a evolução na História da Humanidade.
Tudo se deu início na Pré-História quando o homem descobriu o fogo teve necessidades de viver em comunidade e de ter abrigo, foi viver em cavernas.
Dai começou o Culto dos Primeiros Xamas, algumas comunidades ficaram isoladas e não teve evolução como as que ficou a beira de água, do Xamanismo os nativos isolados que são os índios nosso (BR), toca a Pajelança. Vamos ver que a Jurema Sagrada Catimbó, nasceu em 1532 e a sua origem foi junto com o homem.
A Jurema Sagrada é o culto da Natureza, e a harmonia do homem, natureza, e os encantados, no ato da morte se encantam na natureza, e ou em animais, ou que em vida foi consagrado por um Pajé e ou um Mestre Juremeiro, e união dos costumes católicos.
Veja Bem Xamanismo, Pajelança e Jurema Sagrada Catimbó, são coisas totalmente diferentes, derivações.
Da Pré-História com os xamãs, algum grupo ficou isolado e esse passou a se chamar nativos, no Brasil de índios estes culto a Pajelança, em 1532 a 1536 onde se deu início a colonização Brasileira, nasceu dai a Jurema Sagrada.
Sendo que teve encontro de culturas e esse Invasores e ou Esporadores foi iniciado na Pajelança e ao sair das Aldeias passou a fazer a sua pajelança com algumas atividades de Bruxaria Europeia, o Africano com a sua Ciência e saber de curas com ervas que agregou valores com a Pajelança e dai foi o Marco divisório entre a Pajelança e uma nova religião que nascera dentro das matas.
Os Assentamentos de seus caboclos era pequenos e fácil de ser transportados que na maioria das vezes ficava em Toca de Pau, Grutas, e escondidos dentro das Matas, a base só uma pedra.
Quando o iniciado realiza o seu ritual de iniciação da Jurema de Caboclo, não faz Pajelança ou qualquer outra rito. É buscado na natureza o seu encantado no caso o seu Caboclo e buscado dentro das Matas, e ou o elemento que foi encantado, o Caboclo Tupã o Batizou esse Rito de Jurema Sagrada.
Como Ocorreu a Descoberta do Fogo na Pré-História?
De acordo com os Historiadores e Arqueólogos o domínio da produção do fogo foi um dos principais avanços da humanidade, colaborando para o desenvolvimento da raça humana.
Na época anterior a descoberta da produção do fogo, os seres humanos tinham que esperar um raio cair em uma árvore ou um incêndio numa floresta.
O homem ficava totalmente dependendo do acaso para conseguir este precioso bem. Com o desenvolvimento da inteligência, através da observação, o homem conseguiu produzir o fogo.
Este processo ocorria de duas formas:
Batendo uma pedra na outra e produzindo faísca que atingia palha;
Friccionando graveto seco numa madeira até produzir a faísca, atingindo a palha. Com a produção do fogo, o homem pré-histórico garantiu um grande avanço, pois podia iluminar a caverna, cozinhar a carne, espantar os animais selvagens e garantir o aquecimento nas épocas de frio.

O que é Xamanismo?neto00 (211)fonte: http://www.xamanismo.com.br

Atualmente quando as maiorias das pessoas ouvem a palavra xamanismo pensam em culturas indígenas americanas, outros reclamam por que não pajelanças se estão no Brasil.
Sempre considerado como um programa de índio.
O xamanismo não se refere apenas à espiritualidade indígena.
É certo que os indígenas foram os grandes responsáveis por manterem acessas as chamas da Medicina da Terra, mas as práticas se originaram no homem primitivo, no paleolítico.
A palavra tem origem siberiana e não americana e é usada hoje como uma forma única para descrever as práticas no mundo todo.
Ou seja, as práticas são universais, é um legado do Mundo Espiritual para a Humanidade. Não pode haver fronteiras.
A palavra xamanismo foi criada por antropólogos (ver em xamã) para definir um conjunto de crenças ancestrais.
Para mim é um caminho de conhecimento.
Nós podemos perceber traços do xamanismo em várias religiões.
As raízes do xamanismo são arcaicas e alguns antropólogos chegam a pensar que elas recuam até quase tão longe quanto à própria consciência humana.
As origens do xamanismo datam de 40.000 a 50.000 anos, na Idade da Pedra.

Antes de 1500

A tese mais aceita é que os povos indígenas das Américas são descendentes de caçadores asiáticos que cruzaram o passando da Sibéria para a América do Norte.
Os mais antigos povoadores do atual território brasileiro chegaram há aproximadamente 12 mil anos.
Contudo, foi encontrado em Lagoa Santa (Minas Gerais) o crânio de uma mulher de traços negroides, batizado de Luzia, que viveu há 11.500 anos.
Deste modo, alguns pesquisadores consideram provável que populações negroides também tenham vivido nas Américas, e que estas foram exterminadas ou assimiladas pelos povos mongoloides muitos séculos antes da chegada dos europeus.

Pajelançaneto00 (212)Fone: http://pt.wikipedia.org/wiki/Pajelança

Ritual místico realizado por um pajé indígena, com o objetivo de curar, prever o futuro, etc.
Podemos dizer que a pajelança é uma forma de benzedura.
É provável que a palavra Pajé venha da raiz pa-y = profeta, adivinho, curador, sacerdote, xamã.
O termo pajelança é aplicado nas manifestações xamânicas dos índios brasileiros. Pode ser divido em pajelança indígena (rituais indígenas) e pajelança cabocla, que são praticas religiosas (não indígenas) mais comuns no Norte e Nordeste brasileiro.

Afinal… Quem são os Pajés?
Existe muito pouca coisa publicada no Brasil sobre este fascinante assunto.
Uma contribuição preciosa foi o depoimento do estudioso dos mistérios amazonenses, Antônio Jorge Thor. Thor comenta o xamanismo e a pajelança:
“Um aspecto curioso deste assunto é que nos Estados Unidos, quando se fala em Xamanismo, muitas linhagens dos Xamãs são mulheres”.
No Brasil não, aqui Pajé é sempre somente do sexo masculino – primeira geração, que passa de pai para filho.
Para ser um Pajé, o candidato deve ser um paranormal e médium ao mesmo tempo.
Ou seja, deve ter muitas força mental (para normalidade) e a mediunidade, que mexe com a bioenergética, com as partículas bio cósmicas (provocam a expansão da consciência fora da matéria, o espírito, por exemplo), enfim aquela coisa da espiritualidade.
fonte: ( http://www.xamanismo.com.br/Teia/SubTeia1192186946)

Pajelança Indígena

PAJELANÇA (do Tupi pajé, curador, sacerdote, xamã) é um termo genérico aplicado às diversas manifestações do xamanismo dos povos indígenas Brasileiros.
Refere-se aos rituais nos quais um especialista entra em contato com entidades não humanas (espíritos de mortos, de animais etc.) com o fim de resolver problemas que acometem pessoas ou coletividades.
RIO VERDE009Príncipe das Águas Claras Pajé Rio Verde
Ancestralidade da Jurema Sagrada é a Jurema de Tupã

Quando os Primeiros Colonizadores que aqui chegaram ao Brasil, acabaram os seus alimentos, remédios e a necessidade teve que buscar ajuda aos habitantes da terra que no caso era o índio.
E alguns deles se iniciaram na Pajelança.
Saiu de dentro das Aldeias e foram pequenas vilas, mais ia para as matas para invocar os seus encantados que era os caboclos (índios).
Como exemplo como surge a Jurema Sagrada no Brasil, faço um relato da minha ancestralidade como exemplo.
A Jurema de Caboclo que é o Primeiro Reinado da Jurema Sagrada que nasceu dentro da aldeia dos Índios, é a Jurema onde eu Juremeiro Neto sou Consagrado.
Um Pajé da Aldeia dos índios Tupinambás consagrou para o Caboclo da Pedra Preta a minha Avó Madrinha Mestra Mãe Nazira.
E essa por sua vez já com idade avançada com 6 anos de idade o meu Juremeiro Mestre Luca Consagrado para o Mestre Preto Zé Pelintra e Mestre dos Anjos.
É consagrou eu Juremeiro Neto na Jurema de Caboclo para o Príncipe das Águas Claras Pajé Rio Verde.
A Jurema de Caboclo e totalmente nativa, as oferendas aos caboclos são oferecidas sobre a casca do coqueiro, casca do cacho da palmeira, folhas da matas.
A pajelança cabocla (também chamada de cura, linha de pena e maracá, linha de sacaca e diversos outros nomes) é uma manifestação religiosa não indígena, difundida pela Amazônia e parte do Nordeste do Brasil (Maranhão e Piauí).
Combina elementos do catolicismo popular, das culturas indígenas, do Tambor de Mina e da Encantaria, da medicina rústica e de outros componentes da cultura e da religiosidade popular.
Caracteriza-se, entre outros aspectos, pela ênfase no tratamento de doenças e aflições, por um transe de possessão característico, com “passagem” de diversas entidades espirituais em uma mesma sessão, e pela presença de certas práticas como o uso de tabaco e outras substâncias para defumação.
Esses elementos associam a pajelança cabocla a outras manifestações religiosas populares encontradas no Norte e no Nordeste brasileiros, como o Catimbó/Jurema, o Tore e o Candomblé de Caboclo.
A Jurema Sagrada é encontrada no Norte e o seu nascimento mesmo foi no Nordeste, uma religião.

 No século XVI

O território nacional não foi imediatamente ocupado pelos europeus a partir do Descobrimento do Brasil em 1500.
A colonização começou somente a partir de 1532.
Antes disso, havia apenas feitorias nas quais o pau-brasil era armazenado esperando os navios que vinham da Metrópole.
Apenas alguns degredados, desertores e náufragos haviam se estabelecido em definitivo no Brasil, vivendo e se miscigenando com as tribos indígenas.
Ao contrário do que muitos pensam os primeiros colonos não foram só ladrões, assassinos ou prostitutas mandados para o Brasil.
A maioria era composta por camponeses pobres, agregados de um pequeno nobre que vinha estabelecer engenhos e plantações de cana-de-açúcar no Brasil. Apenas alguns poucos eram “criminosos”, em geral pessoas perseguidas pela Igreja por sua “falta de moral” ou por cometerem pequenos delitos: judeus, cristãos-novos, bígamos, sodomitas, padres sedutores, feiticeiras, visionárias, blasfemadores, impostores de todas as espécies.
O território nacional não foi imediatamente ocupado pelos europeus a partir do Descobrimento do Brasil em 1500.
A colonização começou somente a partir de 1532. Antes disso, havia apenas feitorias nas quais o pau-brasil era armazenado esperando os navios que vinham da Metrópole.
Apenas alguns degredados, desertores e náufragos haviam se estabelecido em definitivo no Brasil, vivendo e se miscigenando com as tribos indígenas.
Ao contrário do que muitos pensam os primeiros colonos não foram só ladrões, assassinos ou prostitutas mandados para o Brasil.
A maioria era composta por camponeses pobres, agregados de um pequeno nobre que vinha estabelecer engenhos e plantações de cana-de-açúcar no Brasil.
Apenas alguns poucos eram “criminosos”, em geral pessoas perseguidas pela Igreja por sua “falta de moral” ou por cometerem pequenos delitos: judeus, cristãos-novos, bígamos, sodomitas, padres sedutores, feiticeiras, visionárias, blasfemadores, impostores de todas as espécies.
O índio brasileiro não suportava a escravidão.
Acostumado a viver durante milênios a um meio de vida livre, nômade, a mortalidade indígena no meio escravocrata era muito alta.
O índio brasileiro se negava a trabalhar para o colonizador: muitos fugiam ou se suicidavam.
A situação caótica obrigou os colonos a importar mão de obra do continente africano.
É a partir da década de 1550 que começou a aportar na colônia os primeiros navios com escravos da África. Além de resolver o problema da mão de obra (faltavam índios e portugueses), o tráfico negreiro era muito rentável.
No século XVI desembarcaram no Brasil em torno de 50 mil portugueses e 50 mil africanos.

Século XVII

O desenvolvimento da cultura de cana-de-açúcar faz crescer o número de escravos africanos desembarcados na colônia, vindos, sobretudo de Angola e da Costa da Mina para o litoral do Nordeste.
A imigração portuguesa continuou reduzida. Portugal não tinha população suficiente para mandar grandes números de colonos para o Brasil.
A população se concentra nos litorais nordestino e Sudestino. O resto do País segue ocupado apenas pelos índios.
No século XVII desembarcaram 550 mil africanos e 50 mil portugueses.

Século XVIII

O desenvolvimento da mineração trouxe para o Brasil centenas de milhares de africanos, que foram escravizados na extração de ouro.
Um fato novo foi, pela primeira vez na História da colônia, a vinda de um enorme contingente de colonos portugueses.
Tal surto migratório deve-se a alguns fatores: Portugal e, em particular, a região do Minho, teve uma alta taxa de crescimento populacional e, em consequência, superpopulação. As notícias de que na colônia sul-americana estava ocorrendo à exploração da mineração serviu como esperança para milhares de portugueses que resolveram cruzar o Oceano Atlântico e se aventurar nas Minas Gerais.
A imigração de casais açorianos para o litoral do Sul do Brasil foi de fundamental importância para a demografia da região.
No século XVIII desembarcaram um milhão e 600 mil africanos e 600 mil portugueses no Brasil.
O Brasil passou a possuir a maior população africana fora da África e a maior população lusitana fora de Portugal.

O Que é Jurema?

Jurema é uma arvore da família das Acácias tem a Jurema-preta, e Jurema-branca, Jurema Mimosa.
Mimosa Hostilis da família da Acácia, é nativa do nordeste Brasileiro e recebe o nome popular de “Jurema”.
As Acácias sempre foram consideradas plantas sagradas por diferentes povos e culturas de todo o mundo:
Os Egípcios e Hebreus veneravam a “Acácia nilótica“ (Sant Shittim); Os Hindus, a “Acácia suma” (Sami);
Os Árabes, a “Acácia arábica” (Al-uzzah); Os povos indígenas do oeste da América do sul veneravam a “Acácia cebil“ (vilca);
E os índios Brasileiros principalmente do Norte e Nordeste cultuam a “Jurema Preta” (Mimosa hostilis), Jurema Angico (Acácia cebil) da América do Sul, Jurema do Egito (Acácia nilótica) “Acácia suma” (Sami), da Índia.

Jurema Preta” (Mimosa Hostilis), Brasil / Norte e Nordeste.

Aldeia do Tronco da Jurema do Caboclo Pajé Rio Verde – os assentamentos dos caboclo são dentro das Matas existente no local, quanto ao mestre de iniciados também mora dentro das Matas.
243d436a-f37c-4738-bb4a-c1f39f66dbd8Raiz Ameríndio ao Nascimento da Jurema Sagrada.

Os índios, com os primeiros aportes isolados da religiosidade e o africando que chegou no Brasil no Maranhão e Pernambuco os negros Bantus, quase sempre escravos fugitivos que encontraram guarida e proteção na Pajelança e no culto dos Encantados, que esboçaram o Culto da Jurema Sagrada, no qual, agora, as cerimônias perdiam o sentido de função social da coletividade para transformarem-se em cultos individuais de satisfação de necessidades pessoais quer de Índios, Negros ou Mestiços, ainda que de natureza espiritual, curativa ou de ligação com os antepassados de todas as etnias.
Os escravos fugitivos se escondiam na Mata, muitas vezes em aldeias indígenas.
Temos Relatos do homem Europeu que também fez amizade com os índios e também foi consagrado dentro das Aldeias.
Uma Vez consagrado, tanto como o Europeu e o Africano, segui a sua sina o Homem Branco em busca de riqueza e uma boa território para exploração e o Africano para fugir da escravidão.
O que tinha em comum era a Pajelanças que aprenderam dentro das Aldeias cujo como já foi dito tinha sindo consagrados, com isso eles entrava dentro das Matas para abalar, (ato de invocações e incorporação). É com isso agregou valores.indios0 (9)Jurema Sagrada de Caboclo ou de Tupã

O que o Europeu, Cigano, Turcos e Africano trouxe de seus costumes foi agregado a Pajelanças que teria sido inicializado por Pajés dentro das Aldeias, quando ter a necessidade de adentrar no território Brasileira por razões ímpar, levava em suas bagagens poucos Artefatos na Natureza (Cabaça, Moringa, Coite, Arco e Flecha, Rodilha de Cipo) que era o seu Caboclo (A figura do índio que tinha desencarnado porém encantado).
Os Primeiros homens que não era índio quando foi realizar a sua Pajelança entrava dentro da Mata, tirava de balaio os Artefato que hoje chamamos de Assentamento, Assento, Firmeza e ou Tronqueira do Caboclo. Só que junto de seus atos de Pajelanças foi incluindo a Bruxaria Europeia, A Magia Africana e a Imposição dos Inquisidores Padres Jesuítas, que foi a primeira, intolerâncias religiosas.
Com os novos valores inseridos na Pajelança nasceu ai A Jurema Sagrada de Caboclo e ou Jurema Sagrada de Tupã.
Como a Jurema Sagrada do Reino de Caboclo as suas atividades de invocação e no Reino da Natureza, com a inquisição os que era pego dentro das Matas Realizando culto era dito que estava fazendo atos de Satanismo, culto ao Demônio que a fumaça que saia do cachimbo era o elo que tinha com o Diabo que realidade a palava Caatimbó e ou Catimbó e o nome dado à fumaça que sai do cachimbo do Pajé e por sua vez aos novos Juremeiros. Então quando se falava que alguém era Catimbozeira (o) e o mesmo que dizer que era um Bruxo.
Se fosse pego eram mortos no local e proibido ser enterrados próximo a qualquer comunidade e assim se enterrava nos Pés das Árvores Sagrada.ceziraO Catimbó Jurema é uma União de Raças

Jurema Sagrada como tradição “mágica” religiosa ainda é um assunto pouco estudado.
É uma tradição nordestina que, em suas múltiplas formas atuais, revela influências as mais variadas, e que vão desde a feitiçaria Europeia até a Pajelança indígena, passando pelas religiões Africanas, pelo Catolicismo popular, e até mesmo pelo Esoterismo moderno e pelo cristianismo esotérico, além de, em certos casos, estabelecer a diferença principal entre as práticas de umbanda e do catimbó, A Jurema já era cultuada na antiguidade por pelo menos dois grandes grupos indígenas, o dos Tupis e o dos Cariris também chamados de Tapuias.
Imagem_008Jurema Sagrada de Caboclo – Abertura de Mesa de Chão

A abertura da mesa é uma liturgia simples, mas significativa e bonita.Lidamos com uma prática ritual pouco elaborada de forma que algumas poucas coisas podem ser destacadas como de beleza própria.
Antigamente, os mestiços ficavam abaixados no meio dos Matos escondidos da polícia. Se fossem flagrados, eram todos mortos ali mesmo, e não podiam ser enterrados nos cemitérios das cidades.
Enterrava-os no meio da caatinga, debaixo de um Pé de Jurema Preta.
Anterior ao Século XX, os Índios (Xamanistas), Afro-ameríndios e mestiços, com o início do Afrodescendentes, eram analfabetos e perseguidos pela igreja e governantes como feiticeiros e bruxos.
Esse fato impossibilitou o não relato escrito de sua religião.
Por esse motivo, os conhecimentos da Jurema Sagrada – Catimbó vieram através dos espíritos dos Caboclos, Mestres, e Mestres(as), mediante falas / verbalizações, o que chamamos de Ciência dada pelos Mestres.
Hoje a Jurema de Caboclo faz exatamente como era feito dos seus antepassados que teria saindo de dentro das Aldeias com seus costumes unido com a Pajelanças e influência de todas as culturas que veio para o Brasil.
Antigamente utilizava-se candeia com Óleo de pau, Óleo de Mamona, Citronela etc, para fazer a luz e o batizado com velas de cera de abelha.
E realizado uma grande roda no Pé de Uma Arvore Previamente Consagrada para aquela afinidade, e feio um Grande círculo, sendo que o primeiro membro fica ao lado da árvore e fecha o círculo do lado oposto. Isso significa que para a Jurema de Caboclo todos são iguais e todos sentados na mesma altura da Direita para esquerda o mais velho ate chegar ao iniciado mais novo.
galo_preto1
Mestre José Galo Preto
Atuado no Juremeiro Neto