Reinados da Jurema

 

p10arvore

São doze os Reinos da Jurema Sagrada.

Para entender o que é um Reino da Jurema Sagrada é o seguinte, após o seu nascimento cada vez que era obrigado a acrescentar novos atos e valores dentro da Jurema de Caboclo era criado um Reinado, voltamos ao período da Pre-colonização do Brasil, que foi antes do descobrimento em 1498 oficial em 1500, e em 1532 Os invasores que foram chamados de colonizadores ao chegar ao Novo Mundo, ou Terra prometida, fizeram amizade com os índios que habitavam o litoral. Os índios do tronco dos Tupis, que ocupavam a Costa Leste foram totalmente exterminados. Esse é o período em que não houve registro escrito sobre as atividades desenvolvidas pelos povos indígenas no Brasil.
O índio, que sempre esteve em harmonia com o meio ambiente, sofreu muito com a chegada do homem branco, que formava pequenos vilarejos, a caça de escravos índios também era utilizada por esses primeiros homens em terras brasileiras. Em 1532 existiam muitos colonizadores e homens com muitos sonhos.
A grande resistência do índio de ser escravo em sua própria terra levou os invasores a alternativas.
Logo depois, em 1533, deu-se início a chegada dos navios negreiros, trazendo escravos da África. Este contato estabelecido passou a ocupar mais a cultura do habitante da terra com remédios, hábitos alimentares e junção de religião.
Foi desta época que se desenvolviam os primeiros Juremeiros consagrados pelos Pajés do tronco dos Tupi.

neto00 (212)

 1.     Início do primeiro Reino da Jurema Sagrada

Cada um dos termos estão corretos Tupã, Juremal e ou Caboclo.
Os colonizadores mais os afros descendentes, por estarem longe de seu habitat, necessitaram procurar remédios e alimentação, criaram comunidades próximas às aldeias Tupis.
Esse estreitamento de amizade fez as junções de religiões, sendo que alguns deles foram consagrados na Pajelança.
Como existia forte influência de religião (católica, bruxaria europeia e afros descendentes), existiu uma misteriosa junção.
Nasceu aí então o primeiro Reino:
Jurema Sagrada, que levou o nome de Reino do Juremal, Jurema de Caboclo, Reino de Tupã, ou Reino de Tanaruê.
Para a Pajelança a natureza é respeitada em sua essência, cultuando aos pés das árvores sagradas, retirando da natureza vários tipos de artefatos, tais como: pedras, sementes, troncos das árvores sagradas, fogo e água; tudo que possuía vida ao seu redor lhe era sagrado.
Com o surgimento do primeiro Reino da Jurema Sagrada, a sua Árvore Sagrada foi a Jurema Preta.
E a árvore da Jurema Preta passou a ser a Rainha de todas as outras Árvores, eis a nossa Senhora Rainha.
Esses homens, que hoje são os nossos Mestres mais antigos, sendo que muitos não acostam mais, após serem consagrados Juremeiros, manifestavam com os seus índios, dando-lhes o nome de “Caboclo”, seguiam as suas atividades normais unindo as religiões, passando a ser os primeiros Catimbozeiros.
E a Jurema Preta, sendo a primeira árvore a realizar uma mesa de consagração e utilizando o seu tronco para o encantamento dos espíritos indígenas, quando esses Juremeiros foram para outras localidades, passou a encantar outras Árvores e cada árvore que era encantada e utilizada levou o nome de Cidade Encantada.
Nessas Cidades Encantadas, ou seja, as árvores encantadas onde novos homens foram consagrados não pelos pajés, mas sim pelos Juremeiros que foram consagrados pelos Pajés, nasceu o Reino do Juremal, que deu seguimento e agregou outras árvores, que passaram a ser outros Reinados.
Esses Reinados possuíram um Espírito Encantado milenar, que tem grande importância para a Jurema Sagrada, recebendo o título de Rei.
Vamos observar que devido a perseguição dos governantes, porque os Jesuítas não pregavam somente a presença de Cristo para os índios, mas que os índios praticavam atos demoníacos.
Daí os Juremeiros, que eram pegos rezando no pé de uma Árvore Sagrada, abaixados no meio da Mata, em seu catimbó, eram mortos ali mesmo, a partir do Reino do Acais, a unificação dos Reinados passou a ser dentro de quatro paredes e as mesas, ao invés de ser no chão com ervas e totalmente privativas, passaram a ser em mesa e pública.
Nada é feito dentro das casas, é com muita reza e vários preceitos. Quem já passou pelos seus atos do Reino de Tupã, sabe que para batizar apenas um discípulo, ou seja, iniciar os primeiros passos, não tem como realizar todos os atos em menos de cinco dias. Somente o último ato é feito no peji do Mestre, os demais todos são na natureza, nos portais dos Encantados.
Com tal dificuldade e perseguição da polícia, essa Rama da Jurema perdeu adeptos ao longo do tempo, ficando apenas os mais fieis ao princípio da Raiz da Jurema Sagrada, que nasceu dentro das Aldeias.
Mas hoje, como as leis do país nos favorecem, vem cada vez mais aumentando o número de discípulos, pois existe a necessidade do Juremeiro sair dos quartos e estar em contato com a Mãe Terra e, todos os elementos da encantaria fazem aproximação mais forte das correntes, e acordam a ciência do Mestre em nossos caminhos.
A Jurema de Caboclo é um Reinado que quase foi extinto pelo o motivo de intolerância religiosa, a autorização de exterminar com todos atos que fora derivados dos índios e ou do místico africano.
A pessoas que era Juremeiro e ou Mestre em vida, passou a ser benzedores, ou mesmo fazer as suas devoções em suas casa mesmo.
Os que passou ao culto do orixá ficou com a sua Jurema só para si, e outros agregarão valores, para se proteger e criou outros ritos fechados e não todos na natureza dai nasceu os outros 11 reinados.

 1.1.2.      Primeiro Reinado: (teve vários nomes conforme a região e costumes)
– Reino do Juremal,
– Reino de Tupã,
– Reino de Caboclo,
– Jurema de Caboclo,
– Jurema de Chão

O Rei é Tupã ou Tanaruê. Para os índios Deus é Tupã, mas esse Rei Tupã é um grande cacique do tronco dos índios Tupis, que levou o nome de cacique Tupã.
Para os índios o Deus supremo e chamado de Tupã, e um grande guerreiro ia levar o nome de Tupã afim de fazer homenagem ao Deus Supremo.
Caboclo Tupã tinha a sua tribo que era da família dos Tupinambás.
 

1.1.3.      Descrição do Reino do Juremal

Estes Reinos são espirituais, como já foi dito, mas no culto da Jurema eles são representados por estruturas físicas que chamamos também de cidades, que são representadas em árvores onde existiram consagrações de juremeiros, a sua ciência e buscada toda na natureza do reino animal e ou vegetal, como que para os índios existem Deus tudo que na força da natureza, que esses espíritos são invocados afim de ajudar os membros da aldeia, ato esse realizado pelos Pajés.
E tem ate nos dias de hoje os índios que são iniciados na pajelança que os seus guias espirituais são índios que se encantaram.
A cidade no mundo espiritual é a união de forças espirituais, ligados a vida das árvores, fazendo um elo entre o mundo espiritual e a terra e isso ao Juremeiro.
Na cidade montada para o Juremeiro, o seu altar e suas mesas de consagração são constituídas por vários objetos que lembram ou contém algo que liga a natureza ao mundo dos encantados para fazer as invocações.
São constituídas por pote, moringas, bacias de barro, água, cachimbos, cruzeiros de Luz, maracás, tronco de árvores sagradas e vários outros objetos. Observando que os copos taças e cristais foi agregado nos outros reinados e não na Jurema de Caboclo que é tudo nativo.
São muitos os elementos para se levantar uma cidade, esta cidade é colocada sob a proteção de um Mestre, o qual foi encantado nela na sua passagem, ao manifestar em um médium é consagrado e encantado novamente na mesa, sendo sua missão espiritual para com a comunidade.

 É composto pelas cidades de Juremal, Cidade Campos Verdes e Cidade Estrela D’Alva. Família Surupira que são os índios que não teve contatos com o homem branco isso que se encantou-se antes de 1500.
Este Reino pertence aos primeiros Juremeiros, são os encantados mais antigos da Jurema Sagrada Catimbó.
Fazem parte deste reino os Caiporas, Curupiras, Sereias, Mestres Curandeiros, Casamenteiros e Mestras Parteiras.
Praticam magia com os elementos da natureza, sendo todos os atos principais na própria natureza, nada dentro de casa, somente alguns se realizam em seus altares.
Por isso o Reino do Juremá é dito como o um reino dos primórdios, com seus cultos primitivos, voltados à natureza e ao homem e seu habitat natural, invocações de encantados no seu elemento natural.
Há muitos caboclos (índios) e muitos cabocos (mestiços) com poucas características de índios, mas que entendem muito de remédios do mato por serem juremados pelos Pajés.
Este Reino é governado por Tupã que na mesa é chamado de Rei Tanaruê (não acosta). Toda a falange de Tupinambá vem através deste reino. Os mestres Inácio de Oliveira, Roldão de Oliveira e Maria do Acais I, que na verdades era índios vivia na Paraíba, são os que estão à frente das cidades.
Este reino tem a função de melhorar a vida das pessoas trazendo prosperidade, inteligência e despertar a ciência dos discípulos. Na árvore da Jurema Preta este reino está na semente.
Ou seja, a semente para todos os outros onze reinados saiu do reino de Tupã.

1.1.4.      Segundo Reino do Vajucá

Dizem os antigos que este reino fica na direção norte e no Rio Grande do Norte ou na Paraíba e quem tem a ciência da vidência vê no céu quando o dia começa a nascer e isto somente por alguns segundos.
Este é um Reino de muitos Mestres antigos também que viveram no Rio Grande do Norte e redondezas.
Há muitos Caboclos e Pretos Velhos, neste reino. O Vajucá está divido em duas partes:

– Uma tomada por florestas e com muitas tribos de índios “brabos”;

– Outra metade é constituída por caatinga.

Este Reino está sob a direção de Rei Heron, Que é o Rei dono de todas as doenças.
O reino do Vajucá é constituído por mestres que trabalham com plantas e a própria terra. Sabem fazer remédios com argila e ervas torradas sendo também exímios preparadores de misturas para cachimbo, usadas em diversos atendimentos espirituais. Mestres Carlos, João da Mata e Mestra Faustina, Manoel Cadete. 

1.1.5.      Terceiro Reino – Tanema

É interessante falar sobre este reino corrigindo a pronúncia que algumas pessoas ao falar ou cantar sobre este reinado, erroneamente o chamam de panema.
Panema é um mal súbito, uma doença parecida com o banzo dos negros, um tipo de depressão causada por encantamento com o objetivo de fazer o atingido definhar.
Tanema é um Peino de transformação e equilíbrio; um Reino onde as coisas e pessoas passam e se transmutam; um Reino de renovação. Neste Reinado encontraremos muitos curandeiros, ciganos, alguns pajés e outros entes que trabalham e cuidam de ervas e animais. 

angico1

1.1.6.      Quarto Reino – Angico

Reino do Angico, uma árvore da família das acácias, muito importante em nosso culto que leva o mesmo nome deste Reino.
Este Reinado traz o poder da proteção, do fechar do corpo e o espírito para os males do mundo.
Neste local, vários espíritos que se destacaram pela manipulação dos poderes encantados das águas e de feitiços ligados a alma feminina, tais como Mestra Aninha do Alejo, Mestra Joana Pé de chita, Sibamba e etc.

É um Reino que tem um grande número de Mestres Esquerdeiros. 

1.1.7.      Quinto Reino do Tigre

Reino dos índios que foram massacrados, dos feiticeiros que foram condenados e torturados por serem bruxos, magos negros, cabalistas e etc. Reino da guerra e do conflito, dele é que tiramos a força para os trabalhos de “fumaça as esquerdas”, que são rituais onde evocamos o poder de aniquilação impregnado neste reino para diluirmos situações indigestas ou aparentemente intransponíveis em nossa vida.

 1.1.8.      Sexto Reino do Bom Florar

Parecido com o Reino de Tanema, onde estão se transformando as energias, o reino do bom florar é um local onde já estão estabelecidos os vínculos eco existenciais com os seres animais, vegetais e humanos. Morada dos antigos mestres raizeiros; este reino é repleto de entes iluminados, a maioria dos mestres que trabalham ligados a este lugar, se dedicam a trabalhar em magias curativas.

 1.1.9.      Sétimo Reino de Urubá

Este Reino é um marco da influência da cultura negra dentro do culto da Jurema Sagrada.
Reino de vários quilombos mistos de negros, índios e brancos foragidos, Reino onde estão estabelecidos muitos vodus e Pretos Velhos, Xambá entre outros culto afro descendentes.

estrela-de-davi1

 1.1.10.Oitavo Reino das Sete Covas do Rei Salomão

O berço da ciência profética e mística da Jurema, herança dos europeus.
Os espíritos que são pilares das ciências ocultas e por ele passam povos de mistério para buscar sabedoria para suas jornadas, dentre eles o povo cigano. É um reino de muitos mistérios, onde se trabalha com ladainhas, em silêncio ou cantando.
Sua localização muda de doze em doze horas, por tanto só catimbozeiros de muita ciência conseguem contato para trabalhar com os mestres e as energias deste lugar bendito.

rio verde

 1.1.11.Nono Reino do Rio Verde

Derivação de Nomes:

– Reino de Rio Verde;
– Reino das Águas Claras;
– Reino dos Encantados.
O Reinado é da Rainha Aurora. É o único Reinado que tem espíritos que se encantaram em vida na natureza ou em animais, não existiu a morte, o seu corpo sumiu, se encantou. Existem vários portais de encantamento segundo o Tambor de Mina Nagô, cujo qual esse Reinado o pertence.
Existem alguns encantados que migraram para a Jurema Sagrada, e aceitaram os rituais diferenciados dos seus, só para concluir a sua missão espiritual, tais como os Marinheiros, Caboclos das Águas, Iara, Janaína, entre outros.
O Reino das Águas Claras tem o início em toda a extensão do rio Amazonas e seus principais afluentes. A localidade da Encantaria é nas proximidades da ilha de Marajó e no mar de Água Doce, litoral do Amapá ao Pará.
Recebe a influência do Tambor de Mina Nagô do Grão Pará, Encantaria.
Esse reino é especial pois não tem um rei e sim uma rainha, que é a sua mãe, Rainha Aurora.
Neste Reinado, no encantamento, há uma ilha de matas densas e virgens, pois na verdade suas cidades encantadas estão debaixo das águas. Reino onde é soberano o poderio feminino e de morada de encantados como botos, marinheiros, caravelas, sereias, ondinas e etc.
As meninas da saia verde são doze, que moram no fundo do mar, em um dos reinos do Rio Verde, o invisível. Entram em sintonia com as sereias.
O Príncipe Fleximar é a entidade encantada que movimenta as águas quentes e suntuosas. É o Pai do Príncipe Rio Verde
O Príncipe Rio Negro é a entidade encantada no Rio Negro, que se migrou para a Paraíba e foi catequizado em Santa Rita.
O Príncipe Solimões é quem põe a paz entre os irmãos.
O Príncipe Rio Mar ou Maresia mora no Grão Pará. Irmão mais novo de Rio Verde, filho da Rainha Aurora com o Rei da Turquia. Caboclo brincante das rodas do tambor de mina nagô.
A Princesa Erondina é a Encantada das águas que brotam da terra. Princesa filha do Rei da Turquia e do Reino de Rio Verde, igual as suas Irmãs, Mariana, e Jarina. A Princesa Anabar é das águas de regatos e pequenos rios. Encantados.
Os Botos são espíritos que se encantaram na hora da morte em Botos, vindo de vez em quando nas sessões de Jurema para trazerem simpatias e desenvolvem o amor entre as pessoas.
A Cobra grande é o espírito que se encantou na hora da morte em cobra. Mora dentro dos rios.
Espíritos que se encantaram na hora da morte em sapos são responsáveis pela parte da magia simpática. É claro que não pega cabeça, são os que servem aos mestres esquerdeiros, a família de Légua Bori Bua Trindade utiliza muito esse encantamento.
Maria Flor ou Florzinha é uma entidade encantada nas folhas das matas, desconfiada só aceita fumo, mel e aguardente. Auxilia no uso das folhas, raízes e cascas das plantas. Essa entidade não acosta nas sessões de Jurema.
Currupira é a entidade da família de Florzinha que tem os pés virados para trás. São excelentes na magia de cura. Demoram muito a acostar nas sessões de catimbó.
Yara Mãe d’ Água é a encantada que virou peixe, uma espécie de sereia das águas doces, resolve problemas de amor.
Boi Tatá é o encantado em forma de boi. Provoca o movimento do fogo, este também não acosta nas sessões de catimbó. 

acai

1.1.12.Décimo Reino do Acaes

Este é um marco na história da Jurema Sagrada, localidade onde foi aberta a primeira porta, ou seja, a primeira casa de Catimbó Jurema.
É o Reinado que tem mais adeptos. É considerado um marco.
A partir de Maria do Acais firmou-se aliança e troca de conhecimento com os outros Reinados existentes e unificação da ciência, tendo sido criado por muitos mestres que acostam em novos discípulos.
Os mestres mais importantes dos primórdios dos cultos da jurema no nordeste que são Mestre Manoel Cadete, Mestre Machado Bravo e Mestre José Pelintra.

 1.1.13.Décimo Primeiro Reino de Canindé

Este é um Reinado muito importante e há quem diga que é por ele que encontramos as explicações e os motivos de existirem os sacrifícios de animais para a Jurema.
Local onde há a unificação das várias etnias de índios em um só local vivendo em sua harmonia cultural, com suas pajelanças e mitos. Neste Reinado, como o próprio nome diz, quem rege é o Rei Canindé, o filho de Tupã, Senhor das Festas, Bebidas e da Guerra.

 1.1.14.Décimo Segundo Reino de Tronos

O último e mais misterioso dos reinos. Nele se encontram os Reinados, Os Tronos e os Poderes do mundo espiritual. Local onde vivem e trabalham os anjos de todas as espécies.
Neste Reinado trabalha-se com o Poder Divino através de uma outra forma mais sútil da magia.
O que para os esotéricos é onde se guardam os dogmas da alta magia.
É o Reinado fonte de Purificação da Espiritualidade do culto da Jurema Sagrada. 

Anúncios